Lagarta do pinheiro: o que é?

A lagarta do pinheiro é um inseto lepidóptero que pertence à família das traças, cujo principal hospedeiro é o pinheiro (manso ou bravo). A lagarta está coberta com até 600.000 pelos urticantes brancos, responsáveis pelas desagradáveis reações alérgicas; esta pelugem tem puas e contém a taumatopoína, a proteína responsável pelo efeito irritante em caso de contacto. É uma praga em Portugal, devido à grande presença desta espécie nas nossas manchas florestais.

Qual a altura do ano em que devemos ter mais cuidado?

Entre Janeiro e Maio.

A lagarta do pinheiro é perigosa para os animais? Quais os sintomas provocados?

Sem dúvida que sim. Não só para os animais, mas também para nós humanos. Nos humanos, o contacto com os pelos urticantes provoca sintomas semelhantes aos das picadas de insetos. A intensidade da reação alérgica depende do número de pelos em contacto com a pele. Podem ocorrer reações mais leves, outras mais intensas, incluindo choque anafilático. Os sintomas podem também designar-se por dermatite por lagarta do pinheiro.

Nos nossos companheiros de quatro patas, os sintomas são semelhantes. Caso o seu cão tenha entrado em contacto com os pelos deste inseto, dirija-se de imediato a um médico veterinário, pois a vida do seu animal está em perigo! É sabido que também os cães podem entrar em choque anafilático. Além disso, é possível que as zonas afetadas entrem em necrose. Os sintomas e a sua intensidade variam de cão para cão.

Quais as reações geradas pelo contacto com a lagarta do pinheiro?

Variam de acordo com a zona do animal que entra em contato com a lagarta. A mais comum é o focinho – boca, língua e nariz. A língua é normalmente o órgão mais afetado, uma vez que é o que mais frequentemente entra em contacto direto com a lagarta, quando o cão explora o seu sabor e textura. Por vezes a lagarta pode ser ingerida pelo animal, o que provoca igualmente problemas ao nível interno. Vejamos alguns dos efeitos aquando do contacto com a lagarta do pinheiro:

  • As reações ocorrem normalmente nas áreas onde a pele não está protegida por pelo. Exemplo disso é o focinho, especificamente o nariz. Nesse caso, o focinho pode inchar e essa reação estender-se a toda a cabeça;
  • Inicialmente aumenta de volume, torna-se azulada, surgindo, posteriormente, áreas de necrose (morte dos tecidos), de cor amarelada ou preta. Podem desenvolver infeção dos lábios, língua e de toda a garganta, para além da perda de tecidos, nas zonas necróticas, entre 6 a 10 dias depois da exposição;
  • No caso de contacto com os olhos, estes podem ficar com uma tonalidade azulada (devido a edema), fobia à luz, prurido ocular, conjuntivite e úlcera da córnea;
  • Caso o animal tenha ingerido pelo urticante, podem dar-se problemas de estômago, como vómitos, por exemplo;
  • A inalação dos pelos pode causar reações respiratórias alérgicas;
  • Salivação excessiva, dificuldade em mastigar/ engolir;
  • Urticária; Apatia; Perda de apetite;
  • Choque anafilático;
  • Outros sintomas: febre, fadiga, danos na mucosa.

É uma situação de urgência? O que devo fazer?

Sim, deve dirigir se com a máxima brevidade ao seu médico veterinário. Por prevenção, mesmo que seja apenas uma suspeita de que o seu cão teve algum contacto com uma lagarta do pinheiro, dirija-se imediatamente ao seu Médico Veterinário. Uma assistência precoce pode ser a diferença entra a vida e a morte. Este poderá remover a lagarta do pinheiro do seu cão, impedindo que continue a libertação de toxinas. Mas lembre-se: não pode tocar diretamente na lagarta, também é tóxica para si!

O que posso fazer como medida preventiva? 

Evitar zonas com pinheiros. No entanto, caso seja impossível, deverá estar sempre atento e com o máximo de cuidado, mesmo em zonas que não tenham aparentemente pinheiros por perto. Por prevenção, mantenha o seu animal preso à trela para mais facilmente ser controlado por si.